10 vídeos de momentos icônicos da saudosa Warped Tour – Tenho Mais Discos Que Amigos!

Seleção vai desde a primeira apresentação do Paramore até a despedida do festival itinerante em 2019

Pergunte a qualquer fã de pop punk e hardcore sobre a Warped Tour e observe a emoção tomar conta de seu rosto em minutos. O festival foi um verdadeiro marco para a história da música e do cenário underground estrangeiro, além de ter sido o primeiro e mais relevante palco (muitas vezes literalmente) para diversas bandas iniciantes que hoje possuem um nome mais do que consolidado no movimento do rock alternativo.
Começando em 1995 com o intuito de ser um festival focado em punk rock, a Warped Tour durou até 2019 e abraçou diversos gêneros que hoje podem ser colocados no mesmo guarda-chuva que o emo, punk e hardcore. Considerado até hoje como a mais longa turnê musical a percorrer os Estados Unidos, em seu segundo ano de atividade o evento conseguiu o patrocínio de ninguém menos que a Vans, tornando-se uma verdadeira bênção na carreira de tantos artistas pequenos e independentes.
Bem antes de sequer imaginarmos que enfrentaríamos uma pandemia global, a Warped Tour foi o principal sonho de milhares de adolescentes espalhados pelo mundo. Seja no sentido de ir a uma, tocar por lá ou simplesmente assistir online, o evento acabou há três anos e até hoje é alvo de especulações (e muitos pedidos) para uma eventual volta.
Enquanto isso não acontece e pensando em matar essa saudade, o TMDQA! listou 10 vídeos que vão fazer o seu coração estar mais pertinho do que foi viver na mesma época que uma Warped Tour. Confira abaixo!
Em 2005, quando Hayley Williams possuia apenas 16 anos e ninguém, realmente ninguém conhecia o Paramore, a Warped Tour deu a oportunidade da banda tocar no festival em um palco bem, bem, bem pequeno. No entanto, dois fatores marcaram de vez a participação do grupo no evento: a parceria com William Beckett, do The Academy Is…, na faixa “Whoa”, e a presença de Gerard Way na plateia.

Simple Plan, assim como o Paramore, também é uma figurinha carimbada na Warped Tour e, assim como o The Academy Is… foi para a banda em 2005, os canadenses serviram como verdadeiros padrinhos para bandas que começavam a conquistar seu território na época. O Waterparks já vinha de um sucesso na web por conta do lançamento do disco Double Dare em 2016, mas foi um verdadeiro evento quando o vocalista Awsten Knight foi chamado no palco do evento para cantar “I’m Just a Kid” com o grupo, durante a edição de 2018. Quer mais? Na plateia, a presença de ninguém menos que Joan Jett foi confirmada.

Falando em Waterparks… uma das coisas mais bonitas da Warped Tour era justamente como as bandas conseguiam crescer dentro do evento. Se algum dia o grupo sonhou em tocar no festival, em 2018 esses desejos foram realizados visto que a banda foi um nome não somente no pôster da Warped, como também atração do palco principal. Para celebrar essa conquista tão significativa, o trio de Houston gravou o clipe de “PEACH (LOBOTOMY)” com registros de toda a participação da banda no festival.

O Man Overboard anunciou um hiato em janeiro de 2016 e a Warped Tour foi palco não somente dos shows de despedida do grupo naquele ano como também dos de reunião, em 2019. Em agosto de 2018, a banda anunciou que retornaria para celebrar seus 10 anos de atividade junto a uma turnê, e é claro que não deixou de marcar presença no evento mais importante da cena pop punk, principalmente na comemoração de 25 anos da Vans Warped Tour.

Se tem algo que você definitivamente veria em qualquer um dos shows na Warped Tour é um mosh pit, e o festival foi palco de vários dos mais loucos e diversos momentos. Em 2017, por exemplo, durante o show do Fit for a King na Warped de Orlando, uma enorme roda punk se formava durante a performance de “Slave to Nothing”, e é bem nesse momento que um cara aparece carregando uma lata de lixo no meio da galera!

Em 2012, fora lançada a colaboração que marcou para sempre o post-hardcore: “King for a Day”, que unia e simbolizava a amizade entre o Pierce the Veil Kellin Quinn, do Sleeping With Sirens. Como a Warped Tour acontecia no verão, não havia evento melhor para apresentar pelas primeiras vezes a canção, e dito e feito: presentes no lineup, os mexicanos convidaram o vocalista para entregar uma performance icônica e dar um gostinho do que viria a ser o próximo álbum da banda, Collide with the Sky.

Ainda falando de como a Warped Tour realmente realizou diversos sonhos de bandas pequenas, 2015 foi um ano muito importante para o ΛS IT IS: para quem não conhece, a banda (e principalmente o vocalista, Patty Walters) possuía apenas o YouTube como seu palco. O músico começou gravando covers para seu canal, até que sua banda enfim assinou com a gravadora e absolutamente tudo aconteceu depois, inclusive a apresentação na Warped Tour com o single de estreia, “Dial Tones”.

Outro exemplo de banda que conseguiu alcançar outros horizontes graças à Warped Tour foi a japonesa ONE OK ROCK. A banda, mesmo tendo se apresentado num palco pequeno na edição de 25 anos do festival, conseguiu alcançar muito fãs novos e furar a bolha do pop punk e do rock alternativo norte-americano, trazendo mais atenção para a cena asiática. Confira abaixo o energético e contagiante momento em que o grupo apresenta o hit “The Beginning”, em 2019!

Algo que era mais frequente do que muitos imaginam é o fato das bandas chamarem fãs para subirem no palco e tocarem junto. A Warped Tour, apesar de um evento bem grande, sempre foi sobre conexão com o público e por isso muitos sonhos foram realizados em todo esse processo. Um dos exemplos é o Palaye Royale em 2018. Na ocasião, uma fã levou um cartaz para o show do trio que dizia: “Eu sei tocar ‘Doctor Man’ no baixo”, e então a banda não pensou duas vezes. Além disso, o momento foi registrado e publicado no Instagram oficial do grupo.
 
 
A post shared by Palaye Royale (@palayeroyale)

Se tem uma banda que foi imortalizada na Warped Tour é o The Used. O grupo marcou presença em vários lineups do festival, mas é impossível não admitir que uma das suas apresentações mais icônicas foi justamente na última edição. Apresentando-se no maior palco, a banda serviu um setlist de respeito e ainda entregou muita emoção durante todo o show. Chamando John Feldmann para subir no palco durante “All That I’ve Got” (com direito ao vocalista Bert McCracken dizendo que “deve a sua vida” ao produtor), não há quem tenha conseguido conter as lágrimas em um momento que, apesar de muita alegria, soava como uma despedida. Confira abaixo.

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

window._taboola = window._taboola || [];
_taboola.push({
mode: ‘thumbnails-a’,
container: ‘taboola-below-article-thumbnails’,
placement: ‘Below Article Thumbnails’,
target_type: ‘mix’
});

source

Deixe uma resposta