A maldição que assombra as grandes bandas de rock – VEJA

A repentina morte do baterista do Foo Fighters, Taylor Hawkins, abriu um vácuo na banda que será difícil de preencher. Carismático, divertido e talentoso, Hawkins era o par perfeito para o vocalista e guitarrista Dave Grohl (ele próprio também ex-baterista do Nirvana). Em todos os shows do Foo Fighters havia um momento em que Hawkins assumia os vocais para fazer cover do Queen, enquanto Grohl ia para a bateria, numa divertida troca de papéis. Mais que um excelente músico, Hawkins era um dos melhores amigos de Grohl e, entre a mídia internacional, já se especula se a banda irá continuar na estrada após sua morte. Para além de um adereço, o baterista é o coração pulsante e figura indispensável para o sucesso (ou o fracasso) de uma grande banda de rock. Tal como o Foo Fighters, outros grupos icônicos também perderam seus bateristas e jamais se recuperaram. Confira:
Led Zeppelin
John Bonham, o Bonzo, era uma indomável força da natureza. É impensável pensar no sucesso do Led Zeppelin sem suas pesadas pancadas na bateria – que levaram-no a ser chamado, não à toa, de The Beast (a besta). Considerado por inúmeras publicações como o melhor baterista de rock de todos os tempos, Bonzo morreu aos 32 anos, em 1980, marcando o fim do Led Zeppelin. A banda até ensaiou alguns esporádicos retornos com Phil Collins e, mais recentemente, com o filho de John, Jason Bonham, mas jamais foi a mesma coisa. Quando morreu, Bonham estava depressivo por ficar muito tempo longe de casa. Alcoólatra, ele bebeu quarenta doses de vodca e foi dormir. Morreu asfixiado no próprio vômito.

The Who
Uma das bandas mais importantes da história do rock, o The Who segue na estrada ainda hoje com apenas dois integrantes originais: o vocalista Roger Daltrey e o guitarrista Pete Townshend. A verdade é que a banda atual é apenas uma sombra do que o um dia foi quando era formada ainda por John Entwistle e, sobretudo, o monumental Keith Moon, que ganhou o apelido de Moon The Loon (Moon, o Lunático) por causa de seu comportamento insano com as baquetas e sua capacidade de destruir o instrumento a cada apresentação. Moon morreu em 1978 em consequência de uma overdose de medicamentos que usava para tratar o alcoolismo. A banda substituiu Moon com Kenney Jones e chegou a lançar outros dois discos, mas que nunca chegaram aos pés dos primeiros. Atualmente, o The Who segue na estrada com Zak Starkey (filho de Ringo Starr) na bateria.

Rush
Há bandas em que a união de forças de seus integrantes resulta em um bloco tão coeso e orgânico que é difícil imaginá-la sem algum deles. Os canadenses do Rush são um desses exemplos. A morte do monumental baterista Neil Peart (que também era um dos principais compositores do grupo), no início de 2020, simplesmente sepultou o Rush. Para além da destreza no baixo de Geddy Lee, o que se destacava mesmo nos shows do Rush era o impressionante kit de bateria de Peart, com inúmeros bumbos e chimbals, que davam a agressividade e a complexidade que o som da banda precisava. Peart morreu aos 67 anos, em Santa Mônica, na Califórnia, em decorrência de um tumor no cérebro. Recentemente, o guitarrista Alex Lifeson afirmou que, com a morte do baterista, a banda tinha acabado, pois não fazia sentido voltar a tocar sem a presença dele.

Rolling Stones
Desde a entrada de Ron Wood nos Rolling Stones, em 1974, o grupo britânico sacramentou sua formação com Mick Jagger nos vocais, Keith Richards na guitarra, e Charlie Watts na bateria. Uma formação tão clássica quanto John, Paul, George e Ringo nos Beatles. A morte de Watts, aos 80 anos, em agosto do ano passado, abalou a banda, pega de surpresa prestes a iniciar uma turnê pelos Estados Unidos. Dono de batidas elegantes e toques precisos na bateria, herança de seu passado jazzista, Watts jamais havia desfalcado a banda desde quando entrou no grupo, em 1963. Embora tenham seguido em turnê sem Watts, os Stones decidiram não substitui-lo oficialmente, contratando o baterista Steve Jordan para tocar nos shows.

A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
Leia também no GoRead
Copyright © Abril Mídia S A. Todos os direitos reservados.
Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.
Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo
Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA
Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.