Chapitô leva o circo a babilónia das artes em Berlim – Diário de Notícias

Portugal é um dos países presentes este sábado na Alemanha no festival europeu, Babylon Europa, de artistas circenses, performativos e músicos.
Tomás Moratti é artista circense e formador
© DR
O Chapitô representa hoje Portugal no festival cultural Babylon Europa, em Berlim (Alemanha). Em palco, com atuações individuais e coletivas, apresentam-se as experiências de 12 países europeus nas artes circenses, performativas e musicais. Amina Bawa (dirigente e professora) e Tomás Moretti (artista de circo e formador) são os representantes nacionais, escolhas que pretendem realçar a importância do projeto europeu no nascimento da coletividade e da sua internacionalização.
pandemia. O primeiro ano dos artistas de circo fora do chapitô
teatro. “O trabalho da Companhia do Chapitô continua a ser muito novo” 
artes. O Chapitô faz 25 anos e recebe os amigos lá de casa no palco, do fado ao cante
O Babylon Europa é um festival de artes e culturas em que os diversos países se apresentam com expressões artísticas diferentes. O Chapitô (Coletividade Cultural e Recreativa de Santa Catarina) representa Portugal com as artes circenses e, por outro lado, vamos salientar a importância do projeto europeu para o nosso nascimento, há 40 anos. É importante que o encontro se realize na Alemanha, onde foi lançado o fundo social europeu e que permitiu a formação desta coletividade”, explica Amina Bawa ao DN.
Amina Bawa dá aulas e assistente da Direção
© Direitos reservados
Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Amina, 34 anos, é brasileira e tem colaborado nos últimos anos com o Chapitô, como professora e assistente de direção. Dá aulas de Tecnologias de Informação e Comunicação nos dois cursos da parte letiva da instituição: Interpretação e Animação Circense e Cenografia, Figurinos e Adereços. Ensino profissional do Secundário e que conta com 100 alunos nos três anos.

Tomás Moretti, 38 anos, é um argentino que, além do seu país, apresentou as artes circenses no Peru, Chile e França, antes de chegar a Portugal, há tês anos. Vai atuar com os representantes alemães, o grupo de samba “A Panda do sol”, num número com malabarismo, técnica de clown (palhaço), manipulação de massas, arcos e chapéus. Tem realizado diversos espetáculos no país (Despelote Circus Show), além de ser formador .

“A experiência de ter vivido em França e outros países europeus é ótima para o meu crescimento profissional e como ser humano”, disse ao DN Tomás Moretti. Salienta que esta participação o deixa particularmente feliz por se realizar ” numa cidade cosmopolita e com tanta diversidade cultural como Berlim”.
© Direitos reservados

É a quarta edição do Babylon Europa e vai decorrer entre as 14: 00 e 20:00, nos jardins do Britzer Garten. Envolve artistas de 12 países, os anfitriões do festival, através dos seus institutos culturais: Áustria, Bélgica, República Checa, Finlândia, Eslovénia, Eslováquia, Itália, Bulgária, França, Hungria, Turquia e Portugal. A participação portuguesa está a cargo do Instituto Camões e do Centro Cultural Português em Berlim.
No âmbito da presidência Francesa do Conselho da União Europeia, o Instituto Francês, em parceria com EUNIC Berlim, apresentará a exposição Nature Future, com trabalhos de jovens fotógrafos europeus.

A coletividade nasceu há 40 anos, beneficiando precisamente do Fundo Social Europeu, lançado na Alemanha. Iniciou posteriormente, em 1987/88, o Projeto Circo/ Jovem, Curso de Expressão Circense. Três anos depois estava formada a a primeira geração de artistas de cariz circense. A sua missão é promover as artes circenses e, através destas, desenvolver projetos de inclusão, formação e qualificação humanas. Pretende prestar um serviço “às pessoas e à sociedade, ao bairro e ao mundo, no sentido do aprofundamento da vida social e solidária”.
A Colectividade Cultural e Recreativa de Santa Catarina é uma casa da cultura e do espetáculo, que, além da escola e residência estudantil, inclui um palco, restaurante e bar.

Amina Bawa espera que a coletividade reforce a cooperação com a Europa. “A troca de experiências entre artistas e o intercâmbio entre as diferentes artes é fundamental para o nosso desenvolvimento. Esperamos trazer para Portugal esse input cultural e afirmar a componente de internacionalização do Chapitô”, sublinha.
ceuneves@dn.pt

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.