Dia mundial do rock: confira uma lista de álbuns imperdíveis do gênero – Correio Braziliense

Nesta quarta-feira (13/7), o mundo presta homenagem ao mais transgressor e imponente dos gêneros musicais. O dia 13 de julho é conhecido como o Dia Mundial do Rock. O Correio, como veículo situado na capital do rock, prepara uma lista especial para exaltar o estilo. Confira a indicação de álbuns que marcaram o gênero.
No dia 13 de julho de 1985, há exatos 37 anos, o estádio Wembley, em Londres, recebia o festival de música Live Aid. O espetáculo somou, entre presentes e telespectadores, 2 bilhões de pessoas ligadas no show de rock. A proposta do evento era angariar fundos para o combate à crise humanitária na Etiópia. Entre as diversas atrações, estavam U2, Paul McCartney e Queen, que ficou imortalizado como símbolo do evento na imagem de Freddie Mercury trajado em calça jeans e regata branca. O festival tornou-se tão emblemático que emprestou a data para que o mundo celebrasse o rock. Nasceu, assim, o Dia Mundial do Rock. Para exaltar a data, o Correio criou uma lista com discos, dos óbvios aos inusitados, que não podem ficar de fora da playlist neste dia especial.
Rage against the machine – Rage against the machine

Rage Against The Machine - Rage against the machine
Rage Against The Machine – Rage against the machine (foto: Sony Music/Reprodução )


Em 1991, um quarteto se juntaria nos Estados Unidos para canalizar em música a ira contra as mazelas geradas pelo imperialismo norte-americano. Surgia a banda Rage Against The Machine, que mesclava elementos do metal ao rap esbravejado pelo vocalista Zack de la Rocha. Um ano após o surgimento, em 1992, a banda lançou o álbum homônimo que condensa todos os ideais da juventude revolucionária da época. Entre as faixas, Killing in the name se destaca como o hino da banda.
Entre momentos de hiato e atividade, a banda anunciou, em 2022, que se reuniria para uma turnê. O primeiro show em 11 anos ocorreu no dia 9 de julho em Wisconsin, nos Estados Unidos. De acordo com uma notícia veiculada pelo jornalista brasileiro José Norberto Flesch, o quarteto deve se apresentar no Brasil no final deste ano.
Metallica – Master of puppets

Metallica - Master of puppets
Metallica – Master of puppets (foto: Universal/Reprodução)


A nostalgia está em alta no mundo do entretenimento. A série Stranger things, que se passa nos anos 1980, protagonizou uma cena apocalíptica em que um dos personagens empunhava uma guitarra e dedilhava a faixa Master of puppets para atrair a atenção dos monstros. A sequência viralizou na internet e trouxe consigo a volta do hit do Metallica, lançado em 1986.
A faixa em questão empresta o nome ao álbum lançado pelo grupo em 1986. O disco é o terceiro da carreira do Metallica e o último com o baixista Cliff Burton, que morreu em um acidente de carro na Suécia, à ocasião da turnê da banda. A obra configura, até os dias atuais, como um dos maiores álbuns da história do metal. Composto por oito músicas, vale ficar de olho na já mencionada Master of puppets e Battery, que abre o disco.
 Red Hot Chili Peppers – Blood sugar sex magik

Red Hot Chili Peppers - Blood sugar sex magik
Red Hot Chili Peppers – Blood sugar sex magik (foto: Warner Records/Reprodução)


Em 1991, a banda Red Hot Chili Peppers se uniu com o lendário produtor musical Rick Rubin em uma casa em Los Angeles para solidificar de vez a mistura entre rock, funk e pop. Veio ao mundo o Blood sugar sex magik, apontado por maioria esmagadora dos fãs como o melhor álbum do grupo. Give it away e Under the bridge, presentes no disco, são presença marcada em todos os shows do grupo, que segue atuante nos dias de hoje.
Raimundos – Lavô tá novo

Raimundos - Lavô tá novo
Raimundos – Lavô tá novo (foto: Warner Music/Reprodução)


Brasília ficou conhecida como capital do rock pela frutífera cena dos anos 1980, composta por bandas como Legião Urbana, Plebe Rude e Capital Inicial. Há, contudo, uma banda de uma safra posterior que colocaria a impressão digital na cidade. Prata da casa, Raimundos uniu o rock mais pesado a elementos nordestinos e letras irreverentes. Ainda longe da roupagem mais pop que a banda adotou posteriormente, Lavô tá novo, segundo álbum da banda, junta o que há de melhor na banda. Vale ouvir Eu quero ver o oco e I saw you saying (that you say that you saw).
Jimi Hendrix – Are you experienced

Jimi Hendrix - Are you experienced
Jimi Hendrix – Are you experienced (foto: Sony Music/Reprodução)


Enquanto o Brasil realizava uma marcha contra a guitarra elétrica, um jovem estadunidense tomaria para si o instrumento e mudaria para sempre a forma como as seis cordas soariam nas músicas. Utilizado de referência como o arquétipo do guitarrista, Jimi Hendrix alcançou o status de lenda musical na curta carreira, interrompida precocemente pela morte do artista em 1970, aos 27 anos.
Três anos antes, em 1967, Hendrix apresentava o primeiro disco da carreira, Are you experienced. Ainda que não seja o disco mais recheado de hits do cantor, é o responsável por apresentar ao mundo uma entidade musical que segue atual mais de 50 anos depois. O destaque fica com a faixa Foxy lady.

David Bowie – The rise and fall of Ziggy Stardust and the spiders from mars

David Bowie - The rise and fall of Ziggy Stardust
David Bowie – The rise and fall of Ziggy Stardust (foto: Jones/Tintoretto/Reprodução)


The rise and fall of Ziggy Stardust and the spiders from mars, lançado em novembro de 1975, é um dos mais icônicos discos do rock e da discografia de David Bowie. Responsável por introduzir ao público a “era Ziggy”, o álbum marca a transição completa do camaleão do rock para o glam.
Com faixas clássicas como Starman, Suffragette city e Rock’n’roll suicide, a obra é uma ópera sobre um rock star bissexual alienígena, endossando ainda mais a imagem andrógina e performática que o artista assumiu em uma boa parte da década de 1970 e pela qual ele ficou tão conhecido.
Com temas como artificialidade do rock em geral, questões políticas, uso de drogas e sobre orientação sexual, Ziggy se imortalizou no imaginário popular roqueiro como o homem que caiu na Terra.
Os Mutantes – Tudo foi feito pelo sol 
 

Os Mutantes - Tudo foi feito pelo sol
Os Mutantes – Tudo foi feito pelo sol (foto: Som Livre/Reprodução)

Ainda que Rita Lee e Arnaldo Baptista tivessem deixado o grupo, Os Mutantes conseguiram se reerguer ao redor do guitarrista Sérgio Dias, único membro original, e lançaram o ótimo Tudo foi feito pelo sol, que se encaminha para o rock progressivo, com canções longas e experimentais. Composto por sete faixas, o álbum ainda contou com a assinatura de Liminha, ex-baixista, em quatro músicas, escrito antes do músico deixar a banda.
Fresno – Vou ter que me virar

Fresno - Vou ter que me virar
Fresno – Vou ter que me virar (foto: BMG/Reprodução)


Passada a ascensão do gênero emo no Brasil, a banda Fresno mostrou que era bem mais do que moda passageira. Fora do circuito das grandes gravadoras e com uma nova formação ainda liderada por Lucas Silveira, a banda se mantém firme como um dos maiores nomes do rock nacional em atividade, tendo protagonizado um grande show no festival Lollapalooza deste ano. Em 2021, o grupo lançou Vou ter que me virar, com guitarras distorcidas e linhas melódicas, característica fundamental da banda. Há espaço para críticas sociais e baladas, contudo.
*Colaborou Ândrea Malcher
*Estagiário sob a supervisão de Nahima Maciel

 
Digite seu endereço de e-mail para acompanhar as notícias diárias do Correio Braziliense.

source

Deixe uma resposta