Quais são os dez melhores álbuns de música sertaneja da história do Brasil? – UOL

Acesse seus artigos salvos em
Minha Folha, sua área personalizada
Acesse os artigos do assunto seguido na
Minha Folha, sua área personalizada

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Gostaria de receber as principais notícias
do Brasil e do mundo?
Doutor em história, é autor de 'Cowboys do Asfalto: Música Sertaneja e Modernização Brasileira' e 'Simonal: Quem Não Tem Swing Morre com a Boca Cheia de Formiga'.
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Esta semana foi publicada pelo jornal O Globo uma lista dos dez melhores discos da música brasileira de 1982 até os dias de hoje.
Segundo os organizadores, a ideia da pesquisa veio da eleição de “Clube da Esquina” (1972) como melhor disco da música brasileira segundo balanço feito pelo podcast Discoteca Básica, do jornalista Ricardo Alexandre, da qual participaram 160 jurados.
Além do clássico de Milton Nascimento, Lô Borges e amigos, a lista dos dez mais votados do podcast teve apenas um disco lançado nos últimos 40 anos, “Sobrevivendo no Inferno”, dos Racionais MCs, de 1997.
Ficou patente a hegemonia de discos gravados nos anos 1970, com eventuais representantes de outras décadas. Chamou a atenção outro fato espantoso que passou despercebido: não havia nenhum sertanejo entre os top dez.
Os outros 490 discos escolhidos pelo júri do Discoteca Básica não foram divulgados e serão conhecidos quando o livro de Ricardo Alexandre, “Os 500 Maiores Álbuns Brasileiros de Todos os Tempos”, for publicado até o fim do ano.
Para mostrar que a música brasileira não se resume aos anos 1970, o Globo buscou especialistas de diversas áreas para apontar os dez melhores discos de 1982 até hoje. Entre os jurados havia produtores, críticos, jornalistas, pesquisadores e curadores.
O vencedor foi “Da Lama ao Caos”, de Chico Science & Nação Zumbi, de 1994. O jornal carioca publicou o nome de cada um dos 25 integrantes do júri, seguidos de seus dez votos. Chamou a atenção que, novamente, nenhum deles tenha citado qualquer LP de música sertaneja.
Quem mais próximo chegou da música sertaneja foi Arthur Dapieve, que citou o LP caipira “Ao Vivo em Tatuí”, de Renato Teixeira e Pena Branca & Xavantinho, lançado em 1992. Fora este disco, nada mais foi citado.

Toda lista de “melhores de todos os tempos” é perigosa. Ela quase sempre ilustra mais sobre o júri do que sobre as obras em si. Se nos basearmos apenas na lista de O Globo, fica a sensação de que não vivemos no país que há mais de 30 anos tem a música sertaneja como seu gênero mais popular. Há um claro descompasso entre o gosto estético das multidões e o de nossos críticos musicais.
De forma que, para ampliar o espectro de análise de música brasileira, esta coluna pediu a diversos jurados para publicar sua lista de top dez discos do gênero. Não há critério a priori para a lista de cada jurado. Pode ser meramente pessoal, gosto familiar, ou mesmo relevância social. Vale disco autoral, ao vivo, de estúdio, coletânea ou até disco de novela.
Vale tudo, do feminejo e sertanejo universitário atuais aos mais antigos discos de modões. O critério é sempre do jurado. A pergunta feita foi: quais são os dez melhores discos da música sertaneja?

O júri mistura especialistas, pesquisadores, produtores, compositores, cantores, jornalistas, médicos, químicos, universitários e também fãs da música sertaneja. Não é uma lista apenas de “especialistas”.
Como um dos problemas das listas de música brasileira é se fiar demais em especialistas, o que acaba acarretando a exclusão sertaneja, uma lista dos top dez discos do gênero não poderia ficar encerrada apenas neles. O que nos leva a pergunta a você, leitor, quais são seus top dez discos da música sertaneja? Escreva nos comentários.
Diante das limitações desta coluna, apesar do diminuto número de votantes, chama a atenção que grande parte do júri tenha eleito de forma espontânea discos que em sua maioria foram produzidos nos últimos 30 anos.
Ou seja, enquanto os analistas simpáticos à MPB encontraram no saudosismo uma forma de legitimar seus votos, entre o júri sertanejo imperou o presentismo, ou seja, a ideia de que vivemos um dos melhores períodos da história do gênero.
Muitos dos consultados relataram a este colunista o sofrimento que foi fazer a lista de dez discos, tamanha a quantidade de obras louváveis. Não é tão comum produzir listas desse tipo na música sertaneja, com certeza não tanto quanto no rock, na MPB e no jazz, por exemplo.
Diante da constante dificuldade de ranquear discos, muitos me pediram que suas listas não fossem publicadas por ordem de qualidade dos discos, mas por ordem cronológica, o que foi adotado para os votos de todos os jurados.

Nesta microeleição, o disco mais votado foi “Leandro & Leonardo”, de 1990. É o LP que tinha os megahits “Pense em Mim” e “Desculpe Mas Eu Vou Chorar” e escancarou de vez as portas para os sucessos sertanejos.
Em segundo lugar veio o LP “Cowboy do Asfalto” (1990), de Chitãozinho & Xororó, lançado no mesmo ano e também responsável pela consolidação nacional do gênero sertanejo moderno. Em terceiro lugar aparece o disco “Palavras de Amor ao Vivo”, de César Menotti & Fabiano, que ajudou a inaugurar a geração universitária.
Em quarto, “Estrada da Vida” (1977), de Milionário e José Rico. Em quinto e sexto, dois discos de Marília Mendonça, “Ao Vivo” (2016) e “Todos os Cantos” (2019). Em sétimo, “Meninos do Brasil” (1989), de Chitãozinho & Xororó. Em oitavo o disco “Leandro & Leonardo”, de 1991, seguido do disco de Zezé Di Camargo & Luciano do mesmo ano. Em décimo, concluindo a lista, “João Mineiro & Marciano – Vol. 12” (1988).
Foi uma eleição bem abrangente, com 29 jurados de diversas origens, regiões e bagagens culturais. Foram citados 170 discos diferentes, o que dá bem a ideia da pujança da música sertaneja. Os artistas com mais discos citados foram Chitãozinho & Xororó e Zezé Di Camargo & Luciano, com dez discos diferentes cada dupla. Os artistas mais votados foram Chitãozinho & Xororó, que receberam votos de 25 dos 29 jurados.
Seguem abaixo os votos de cada jurado.
Gustavo Alonso, autor desta coluna
“Trilha Sonora do filme ‘Estrada da Vida’” (1980), Milionário e José Rico
“Último Adeus” (1981), Trio Parada Dura
“Doma” (1982), Almir Sater
“Cowboy do Asfalto” (1990), Chitãozinho & Xororó
“Leandro & Leonardo” (1991), Leandro & Leonardo
“Zezé di Camargo & Luciano” (1991), Zezé di Camargo & Luciano
“Borboletas” (2008), Victor e Leo
“Todos os Cantos” (2019), Marília Mendonça
“Na Balada” (2011), Michel Teló
“Ao Vivo em Tatuí” (2007), Renato Teixeira e Pena Branca & Xavantinho
Iris Morais Araújo, antropóloga, professora da UFT
“Roberta Miranda” (1986), Roberta Miranda
“João Mineiro & Marciano, Vol. 12” (1988), João Mineiro e Marciano
“Os Meninos do Brasil” (1989), Chitãozinho e Xororó
“Leandro e Leonardo” (1990), Leandro e Leonardo
“Zezé di Camargo e Luciano” (1991), Zezé Di Camargo & Luciano
“Pingo d’Água” (1996), Pena Branca & Xavantinho
“Borboletas” (2008), Victor e Léo
“Ao Vivo” (2011), Paula Fernandes
“Ao Vivo” (2016), Marília Mendonça
“Ensaio” (2017), Bruno e Marrone
Daniela Perutti, antropóloga e pesquisadora do IEA-USP
“Quebradas da Noite” (1983), Chrystian & Ralf
“João Mineiro & Marciano Vol. 12” (1988), João Mineiro e Marciano
“Pantaneiro” (1990), Sérgio Reis
“Cowboys do Asfalto” (1990), Chitãozinho e Xororó
“Leandro & Leonardo” (1991), Leandro e Leonardo
“Rei do Gado 2 – Trilha Sonora” (1996), Vários
“Vida” (1997), Roberta Miranda
“Dois Filhos de Francisco – Trilha Sonora” (2005), Zezé Di Camargo & Luciano e outros
“Realidade – Ao Vivo em Manaus” (2017), Marília Mendonça
“Mais pro Bar do que pra Casa” (2019), Leo Magalhães
Danilo Cymrot, pesquisador cultural
“Leandro & Leonardo” (1990), Leandro e Leonardo
“Clássicos Sertanejos” (1996), Chitãozinho e Xororó
“Zezé di Camargo e Luciano” (1997), Zezé Di Camargo & Luciano
“Ao Vivo” (1999), Milionário e José Rico
“A Majestade o Sabiá ao Vivo” (2000), Roberta Miranda
“Momentos Mágicos ao Vivo” (2002), Daniel
“Ao Vivo Convida” (2004), Matogrosso e Mathias
“Voz do Coração” (2008), Cesar Menotti e Fabiano
“De Volta aos Bares” (2010), Bruno e Marrone
“Ao Vivo” (2016), Marília Mendonça
Marcos V. Bernardes, do canal Blognejo
“Prazer por Prazer” (1995), Chrystian & Ralf
“Clássicos Sertanejos” (1996), Chitãozinho & Xororó
“Ao Vivo” (1997), João Paulo & Daniel
“Acústico” (1998), Chrystian & Ralf
“Zezé Di Camargo & Luciano” (1999), Zezé Di Camargo & Luciano
“Acústico” (2000), Bruno & Marrone
“Meu Reino Encantado” (2000), Daniel
“40 Anos Sinfônico” (2011), Chitãozinho e Xororó
“A Hora É Agora ao Vivo em Jurerê” (2012), Jorge & Mateus
“Acústico” (2015), Luan Santana
Danimar, cantor e compositor
“Lembranças – Vol. 14” (1984), Milionário e José Rico
“Leandro & Leonardo” (1990), Leonardo e Leonardo
“Chrystian e Ralf” (1995), Chrystian e Ralf
“Chitãozinho e Xororó” (1995), Chitãozinho e Xororó
“João Paulo & Daniel vol. 7” (1996), João Paulo e Daniel
“Zezé Di Camargo & Luciano” (1998), Zezé Di Camargo & Luciano
“Palavras de Amor ao Vivo” (2005), César Menotti e Fabiano
“Aí Já Era” (2010), Jorge e Mateus
“Boa Sorte pra Você” (2010), Victor e Léo
“Double Face” (2010), Zezé Di Camargo & Luciano
Ricardo Schott, jornalista
“O Valentão da Rua Aurora” (1975), Leo Canhoto e Robertinho
“Carga Pesada – Trilha Sonora da Série” (1979), vários
“Amora” (1979), Renato Teixeira
“Sergio Reis” (1983), Sergio Reis
“Massa Falida” (1986), Duduca & Dalvan
“Os Meninos do Brasil” (1989), Chitãozinho & Xororó
“Leandro & Leonardo” (1990), Leandro & Leonardo
“Zezé Di Camargo & Luciano” (1991), Zezé Di Camargo & Luciano
“Acústico ao Vivo” (2001), Bruno & Marrone
“Ao Vivo” (2009), Luan Santana
João Vitor Bardini Gonçalves, músico e mestre pela UFG
“Rei do Gado” (1961), Tonico e Tinoco
“Somos Apaixonados” (1982), Chitãozinho e Xororó
“Leandro & Leonardo” (1990), Leandro e Leonardo
“Zezé Di Camargo & Luciano” (1991), Zezé Di Camargo & Luciano
“Acústico ao Vivo” (2001), Bruno e Marrone
“Palavras de Amor – Ao Vivo” (2005), César Menotti e Fabiano
“Ao Vivo em Uberlândia” (2007), Victor e Léo
“Ao Vivo em Goiânia” (2007), Jorge e Mateus
“Ao Vivo” (2016), Marília Mendonça
Brian Requena, mestre em sociologia pela USP e autor de dissertação sobre música sertaneja
“Leandro & Leonardo” (1989), Leandro & Leonardo
“Acústico” (1998), Chrystian & Ralf
“Cowboy do Asfalto” (1998), Chitãozinho & Xororó
“Acústico” (2000), Bruno & Marrone
“Palavras de Amor ao Vivo” (2005), César Menotti & Fabiano
“Ao Vivo em Uberlândia” (2007), Victor & Leo
“O Mundo É Tão Pequeno” (2009), Jorge & Mateus
“Aí Já Era” (2010), Jorge & Mateus
“João Bosco & Vinicius” (2011), Bosco & Vinicius
“Ao Vivo em Floripa” (2012), Victor & Leo
Mylenna Scheidegger, jornalista
“Palavras de Amor ao Vivo” (2005), Cesar Menotti & Fabiano
“Ao Vivo em Goiânia” (2007), Jorge & Mateus
“O Nosso Tempo É Hoje” (2013), Luan Santana
“Ao Vivo em Brasília” (2014), Henrique e Juliano
“In the Cities – Ao Vivo em Cuiabá” (2014), Cristiano Araújo
“O Destino” (2015), Lucas Lucco
“Ao Vivo em São Paulo” (2017), Gustavo Mioto
“Intensamente hoje” (2018), Matheus & Kauan
“Esquece o Mundo Lá Fora ao Vivo” (2018), Zé Neto e Cristiano
“Todos os Cantos Vol. 1” (2019), Marília Mendonça
“Patroas 35%” (2021), Marília Mendonça e Maiara e Maraisa
Ana Maria Ferreira, técnica em música pelo IFG com mestrado em sociologia na UFG sobre música sertaneja
“Cascatinha & Inhana” (1978), Cascatinha & Inhana
“Um Sonhador” (1998), Leandro e Leonardo
“Acústico ao Vivo” (2005), Roberta Miranda
“Pássaro de Fogo” (2008), Paula Fernandes
“Os Anjos Cantam” (2015), Jorge e Mateus
“AR” (2015), Almir Sater e Renato Teixeira
“Elas em Evidência” (2017), Chitãozinho e Xororó
“Terra de Sonhos – Renato Teixeira e Orquestra do Estado de Mato Grosso” (2017), Renato Teixeira
“Todos os Cantos” (2019), Marília Mendonça
“Pra Ouvir no Fone” (2020), Michel Teló
Dudu Purcena, youtuber do canal Alma Sertaneja
“Estrada da Vida” (1977), Milionário e José Rico
“Somos Apaixonados” (1982), Chitãozinho e Xororó
“Leandro e Leonardo” (1991), Leandro e Leonardo
“Zezé Di Camargo & Luciano” (1992), Zezé Di Camargo & Luciano
“Chrystian e Ralf” (1992), Chrystian e Ralf
“10 Anos” (2003), Rick e Renner
“Meu Presente É Você” (2005), Bruno e Marrone
“Meus Encantos” (2012), Paula Fernandes
“A Hora É Agora ao Vivo em Jurerê” (2012), Jorge e Mateus
“Viva por Mim” (2013), Victor & Leo
Rogério Avelino, do Portal Canções Sertanejas
“Cantando para o Brasil” (1963), Tonico e Tinoco
“Hoje Não Posso Ir” (1972), Tião Carreiro e Pardinho
“Estrada da Vida” (1977), Milionário e José Rico
“O Menino da Porteira” (1977), Sérgio Reis
“João Mineiro e Marciano Vol.11” (1986), João Mineiro e Marciano
“Meu Disfarce” (1987), Chitãozinho e Xororó
“Leandro e Leonardo” (1990), Leandro & Leonardo
“Zezé Di Camargo & Luciano” (1992), Zezé Di Camargo & Luciano
“João Paulo e Daniel, Vol. 6” (1995), João Paulo e Daniel
“Acústico” (2001), Bruno e Marrone
Samuel Deolli, compositor e produtor
“Meu Disfarce” (1987), Chitãozinho e Xororó
“Zezé Di Camargo & Luciano” (1998), Zezé Di Camargo & Luciano
“Acústico” (1998), Chrystian e Ralf
“Acústico ao Vivo” (2001), Bruno e Marrone
“Aí Já Era” (2010), Jorge e Mateus
“Do Outro Lado da Moeda” (2014), Gusttavo Lima
“Acústico Tão Feliz” (2015), Marcos e Belutti
“Os Anjos Cantam” (2015), Jorge e Mateus
“Ao Vivo em Goiânia” (2016), Maiara e Maraisa
“Ao Vivo” (2016), Marília Mendonça
Adrielly Campos, mestre em comunicação pela UFG
“Leandro e Leonardo” (1991), Leandro & Leonardo
“Ao Vivo” (2004), Bruno & Marrone
“Na Moda do Brasil: Ao Vivo” (2007), Edson e Hudson
“Ao Vivo” (2009), Luan Santana
“Ao Vivo e em Cores em São Paulo” (2009), Victor & Léo
“Ao Vivo” (2010), Paula Fernandes
“40 Anos Sinfônico” (2011), Chitãozinho & Xororó
“At The Royal Albert Hall: Live in London” (2013), Jorge e Mateus
“Mundo Paralelo: ao Vivo” (2013), Matheus e Kauan
“Ao Vivo” (2016), Marília Mendonça
Marcos Nazone, jornalista e apresentador goiano
“Inventor dos Amores” (2010), Gusttavo Lima
“Ao Vivo em Goiânia” (2007), Jorge e Mateus
“Ao Vivo em Maringá” (2008), Hugo Pena e Gabriel
“30 Anos” (2013), Leonardo
“O Nosso Tempo É Hoje” (2013), Luan Santana
“In the Cities – Ao vivo em Cuiabá” (2014), Cristiano Araújo
“Ao Vivo em Brasília” (2014), Henrique e Juliano
“Ao Vivo em São José do Rio Preto” (2015), Zé Neto e Cristiano
“Todos os Cantos” (2019), Marília Mendonça
“Patroas 35%” (2021), Marília Mendonça e Maiara e Maraisa
Lucas Vieira, jornalista e pesquisador musical
“Coisas do Meu Brasil” (1961), Inezita Barroso
“Cantando para o Brasil” (1962), Tonico e Tinoco
“Leandro e Leonardo” (1990), Leandro e Leonardo
“Ao Vivo” (1992), Chitãozinho e Xororó
“Ao Vivo em Tatuí” (1992), Renato Teixeira e Pena Branca e Xavantinho
“Vida” (1997), Roberta Miranda
“Ao Vivo em Goiânia” (2006), Bruno e Marrone
“Ao Vivo” (2009), Luan Santana
“Ao Vivo em Campo Grande” (2017), Maiara e Maraísa
“Realidade – Ao Vivo em Manaus” (2017), Marília Mendonça
Ana Rita de Paiva Toledo, médica mineira
“Um Sonhador” (1998), Leandro e Leonardo
“Bruno e Marrone ao Vivo” (2004), Bruno e Marrone
“Palavras de Amor – Ao Vivo” (2005), César Menotti e Fabiano
“Ao Vivo sem Cortes” (2009), Jorge e Mateus
“Ao Vivo em Brasília” (2015), Wesley Safadão
“Flores em Vida” (2015), Zezé Di Camargo & Luciano
“Esquece o Mundo Lá Fora – Ao Vivo” (2018), Zé Neto e Cristiano
“O Embaixador” (2018), Gusttavo lima
“Todos os Cantos” (2019), Marília Mendonça
“Manifesto Musical” (2022), Henrique e Juliano
José Hamilton Ribeiro, jornalista e pesquisador de música caipira e sertaneja
“Suas Modas Sertanejas” (1958), Tonico e Tinoco
“Modas de Viola Classe A” (1974), de Tião Carreiro e Pardinho
“Estrada da Vida” (1977), Milionário e José Rico
“Velha Morada” (1980), Pena Branca e Xavantinho
“Para Todo Sempre” (1981), Irmãs Galvão, 1945
“Cio da Terra” (1987), Pena Branca e Xavantinho, 1987
“João Mineiro & Marciano – Volume 12” (1988), João Mineiro e Marciano
“Os Meninos do Brasil” (1989), Chitãozinho e Xororó
“Chrystian & Ralf” (1991), Chrystian & Ralf
“Pantaneiro” (1990), Sérgio Reis
Waldenyr Caldas, professor da USP, pesquisador de música caipira e sertaneja
“Coração de Luto – Trilha Sonora do Filme” (1967), Teixeirinha
“Rock Bravo Chegou para Matar” (1970), Léo Canhoto e Robertinho
“Eu te Amo Meu Sertão” (1974), Ringo Black e Kid Holiday
“Duelo de Amor” (1975), Tião Carreiro e Pardinho
“Estrada da Vida” (1977), Milionário e José Rico
“Zé Fortuna e Pitangueira” (1978), Zé Fortuna e Pitangueira
“Nonô e Naná” (1979), Nonô e Naná
“Cascatinha e Inhana” (1981), Cascatinha e Inhana
“A Incomparável – 30 anos de Carreira” (1985), Inezita Barroso
“Tristeza do Jeca” (1990), Tonico e Tinoco
Lênio Streck, jurista, professor e advogado.
“Rei do Gado” (1961), Tião Carreiro e Pardinho
“Saudade de Minha Terra” (1967), Belmonte e Amaraí
“Estrada da Vida” (1977), Milionário e José Rico
“Pelos Caminhos da Vida” (1985), Joaquim e Manuel
“João Mineiro & Marciano – Vol. 12” (1988), João Mineiro e Marciano
“Não Consigo Viver de Recordações – Vol. 6 (1989), Chico Rey e Paraná
“Cowboy do Asfalto” (1990), Chitãozinho e Xororó
“Leandro e Leonardo” (1991), Leandro & Leonardo
“Chrystian & Ralf” (1992), Chrystian & Ralf
“Pérolas” (2000), Lourenço e Lourival
Matheus França, professor de antropologia na UFG com doutorado sobre música sertaneja
“Estrada da Vida” (1977), Milionário & José Rico
“Cowboy do Asfalto” (1990), Chitãozinho e Xororó
“Leandro & Leonardo” (1990), Leandro e Leonardo
“Zezé Di Camargo & Luciano” (1997), Zezé Di Camargo & Luciano
“Amigos 3” (1998), vários
“Acústico no Bar” (2003), João Bosco e Vinícius
“Ao Vivo em Goiânia” (2007) – Jorge & Mateus
“Na Balada” (2011) – Michel Teló
“Marília Mendonça” (2016), Marilia Mendonça
“Todos os Cantos” (2019) – Marília Mendonça
Bruno Caetano, dono da loja Mon Petit Brésil em Paris
“Os Meninos do Brasil” (1989), Chitãozinho e Xororó
“Chrystian e Ralf – Vol.8” (1991), Chrystian e Ralf
“João Paulo e Daniel – Vol. 5” (1994), João Paulo e Daniel
“Saudades de Tião Carreiro – Os Amigos Cantam Seus Sucessos” (1997), vários
“Gian e Giovani ao Vivo” (1999), Gian e Giovani
“Zezé Di Camargo & Luciano” (2000), Zezé Di Camargo & Luciano
“Acústico” (2000), Bruno e Marrone
“Acústico – Vol. 13” (2002), Chico Rey e Paraná
“Decida – Vol. 27” (2003), Milionário e José Rico
“Acústico no Bar” (2003), João Bosco e Vinicius
Marcelo Voninho, cantor, sanfoneiro e produtor musical
“Blusa Vermelha” (1980), Trio Parada Dura
“Lembranças” (1984), Milionário e José Rico
“João Mineiro e Marciano Vol. 11” (1986), João Mineiro e Marciano
“Estrela de Ouro” (1986), Tião Carreiro e Pardimho
“Leandro e Leonardo” (1990), Leandro e Leonardo
“Clássicos Sertanejos” (1996), Chitãozinho e Xororó
“João Paulo e Daniel – Vol. 7” (1996), João Paulo e Daniel
“Viajando pelo Brasil” (2002), Chrystian e Ralf
“Meu Reino Encantado 3” (2005), Daniel
“Double Face” (2010), Zezé Di Camargo & Luciano
Chris Fuscaldo, jornalista e pesquisadora musical
“Romaria” (1978), Renato Teixeira
“Estrada da Vida” (1980), Milionário e Zé Rico
“Cowboy do Asfalto” (1990), Chitãozinho e Xororó
“Ao Vivo” (1992), Almir Sater
“Amigos” (1996), vários
“A Majestade, O Sabiá” (2000), Roberta Miranda
“Meu Reino Encantado” (2000), Daniel
“Acústico” (2007), Sandy & Junior
“Ao Vivo” (2010), Paula Fernandes
“Realidade – ao Vivo em Manaus” (2017), Marília Mendonça
José Rodrigo Rodriguez, professor de direito e pesquisador do Cebrap
“Flor do Cafezal” (1971), Cascatinha & Inhana
“Saudade da Minha Terra” (1975), Sérgio Reis
“Cantigas da Minha Terra” (1980), Irmãs Galvão
“Fuscão Preto” (1983), Nestor e Nestorzinho
“Rasta Bonito” (1989), Almir Sater
“Ao Vivo em Tatuí” (1992), Renato Teixeira e Pena Branca & Xavantinho
“Helena Meirelles” (1994), Helena Meirelles
“Perfil de São Paulo” (2000), Inezita Barroso e Izaias & Os Seus Chorões
“O Violeiro Mais Sertanejo do Brasil Vol. 3” (2002), Nestor da Viola
“Grandes Clássicos do Sertanejo Acústico” (2007), Chitãozinho & Xororó
Paulo Cesar de Araújo, biógrafo, professor da PUC-RJ
“Vamos Falar de Brasil” (1958), Inezita Barroso
“As 12 Mais de Tonico e Tinoco” (1959), Tonico e Tinoco
“25 Anos de Amor” (1967), Cascatinha e Inhana
“Rock Bravo Chegou para Matar” (1970), Leo Canhoto e Robertinho
“Viola Cabocla” (1973), Tião Carreiro e Pardinho
“Das Barrancas do Rio Gavião” (1973), Elomar
“Saudade de Minha Terra” (1975), Sérgio Reis
“Velha Morada” (1980), Pena Branca e Xavantinho
“Os Meninos do Brasil” (1989), Chitãozinho e Xororó
“Palavras de Amor ao Vivo” (2005), Cesar Menotti e Fabiano
Henrique Guerra, músico pernambucano
“Cowboy do Asfalto” (1990), Chitãozinho e Xororó
“Leandro e Leonardo” (1990), Leandro & Leonardo
“Pantanal Trilha Sonora da Novela” (1990), vários
“Zezé Di Camargo” (1991), Zezé Di Camargo
“Sol da Minha Vida” (1992), Roberta Miranda
“Rei do Gado – Trilha Sonora da Novela” (1996), vários
“Amigos” (1996), vários
“Bailão do Leandro & Leonardo” (2001), Leandro & Leonardo
“Pássaro de Fogo” (2008), Paula Fernandes
“Na Balada” (2011), Michel Teló
Muller Bento, canal TV Meu Sertanejo
“Zezé Di Camargo & Luciano” (1994), Zezé Di Camargo & Luciano
“Um Sonhador” (1998), Leandro e Leonardo
“Acústico ao Vivo” (2001), Bruno e Marrone
“Palavras de Amor” (2005), César Menotti e Fabiano
“Ao Vivo em Uberlândia” (2007), Vitor e Léo
“O Mundo É Tão Pequeno” (2009), Jorge e Mateus
“Curtição” (2009), João Bosco e Vinícius
“Sinfônico 40 Anos” (2011), Chitãozinho e Xororó
“Ao Vivo em Brasília” (2014), Henrique e Juliano
“Ao Vivo” (2016), Marília Mendonça
LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Leia tudo sobre o tema e siga:
Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!
Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Carregando…
Carregando…
Seminário mostra como a Argentina se preparou para receber o turista brasileiro
Referência em Cidades Inteligentes, Curitiba investe em iniciativas para qualidade de vida
Análise de dados ajuda governos na formulação de políticas públicas
Cidades inteligentes colocam tecnologia na porta de casa; saiba tudo sobre as “smart cities”
Crea-SP realiza ações para ampliar presença e relevância das mulheres
Controle do glaucoma depende de prevenção e adesão a tratamento
Tranquilidade e segurança para o produtor rural
Novo protocolo do SUS poderá mudar cenário de pacientes com Hipertensão Arterial Pulmonar
ID digital garante maior confiança nas transações pela internet
Sustentabilidade é prioridade para CEOs globais e brasileiros
Tecnologia aumenta produtividade e reduz custo de empresas de logística
Economia circular ganha força e chega à produção de fertilizantes
Tecnologia aumenta produtividade e reduz custo de empresas de logística
Prefeitura de SP amplia abordagens na Operação Baixas Temperaturas
QUALIDADE E CUIDADO COM O MEIO AMBIENTE
Bradesco Seguros lança aplicativos mais rápidos, fáceis de usar e com novas funcionalidades
PIRELLI LANÇA PNEU QUE REPARA FURO SOZINHO
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Ex-funcionária diz que há menos proteção contra tentativas de interferência na eleição brasileira do que houve na dos EUA
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Marcelo Rebelo afirma não ter sido comunicado oficialmente sobre desistência de brasileiro
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Única esperança do presidente é gerar sensação de bem-estar equivalente à do Plano Real em 1994

O jornal Folha de S.Paulo é publicado pela Empresa Folha da Manhã S.A.
Copyright Folha de S.Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.
Cadastro realizado com sucesso!
Por favor, tente mais tarde!

source

Deixe uma resposta